Fale conosco

Precisa de um Orçamento?

Entre em contato e venha fazer uma parceria de sucesso.

Publicado em 09 de April de 2024
Contábeis

Demissões por justa causa atingem recorde em 2024; entenda os motivos

As demissões por justa causa atingiram recordes históricos no início deste ano. Foram  39.511 demissões em janeiro, 25% a mais do que o registrado no mesmo período do ano passado.

A análise foi realizada pela LCA Consultores que utilizou como base os dados extraídos do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged).

Economistas apontam que esse aumento está diretamente ligado ao aquecimento do mercado de trabalho, que vem tendo uma movimentação intensa com um grande volume de contratações e desligamentos. 

 

Além disso, fatores culturais e conjunturais, em especial os desdobramentos do período pós-pandêmico, também desempenharam um papel importante nesse cenário.

O economista da LCA Consultores encarregado pela análise, Bruno Imaizumi, acredita que o retorno ao ambiente de trabalho físico pode ter sido um dos propulsores desse recorde. 

“As demissões por justa causa podem ter ocorrido de forma mais incisiva em virtude do comportamento de determinados funcionários no local de trabalho, à medida que as empresas conseguem agora avaliar e mensurar de forma mais precisa o desempenho de seus colaboradores pessoalmente”, afirma.

Demissão por justa causa

 

A demissão por justa causa é uma forma de rescisão do contrato de trabalho realizada pelo empregador devido a uma falta grave cometida pelo funcionário, que está prevista em lei. 

Essa falta grave pode variar de acordo com a legislação de cada país, mas geralmente inclui situações como:

Quando um empregado é demitido por justa causa, ele pode perder alguns direitos trabalhistas, como aviso prévio, férias proporcionais e o direito ao saque do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) . 

Além disso, a demissão por justa causa pode impactar negativamente na busca por um novo emprego, já que pode haver uma percepção desfavorável associada à dispensa por esse motivo.

 

Por isso, é importante que o empregador siga rigorosamente os procedimentos legais e comprove de maneira consistente a falta grave cometida pelo funcionário antes de aplicar essa forma de rescisão do contrato de trabalho.

Compartilhe nas redes sociais
Facebook Twitter Linkedin
Voltar para a listagem de notícias